Unidades Móveis para a Prestação de Cuidados de Saúde do Alentejo
As Unidades Móveis de Saúde do Alentejo são constituídas por uma viatura que dispõe de um gabinete de consulta e de uma sala de exames e tratamentos e estão equipadas com tecnologia de ponta, a nível de diagnóstico, com condições para prestar Cuidados de Saúde Primários, nomeadamente na área clínica e de enfermagem, apoio domiciliário, saúde escolar, vigilância do estado de saúde dos idosos que vivem isolados, rastreios, campanhas de vacinação, entre outros, melhorando as condições de atendimento.

Iniciativa: Unidades Móveis para a Prestação de Cuidados de Saúde do Alentejo
Entidade: Administração Regional de Saúde do Alentejo, IP (ARS Alentejo)
Destinatários/Beneficiários potenciais: Utentes que vivem em lugares isolados, que têm dificuldades de vária ordem em se deslocarem às instituições de Saúde.
Categoria: Serviços ao Cidadão
Ponto de Situação: Em curso.
Custos envolvidos: As 5 Unidades Móveis de Saúde resultaram de um projecto que foi objecto de uma candidatura ao Programa Operacional Regional do Alentejo (porAlentejo), com um investimento total de 362 546,25 Euros, dos quais 271 909,69 Euros foram co-financiados pelo FEDER.
Site: www.arsalentejo.min-saude.pt


O programa de implementação de Unidades Moveis de Saúde no Alentejo foi iniciado em 2006 e conta actualmente com cinco viaturas, colocadas nos Centros de Saúde de Borba, Évora / Montemor-o-Novo, Odemira, Ourique e Nisa e o seu funcionamento tem revelado a existência de casos de utentes a viverem em lugares isolados que, pela primeira vez em muitos anos, tiveram acesso a cuidados de saúde.

As Unidades Móveis da ARS do Alentejo dispõem de uma equipa composta por um motorista, um enfermeiro e um médico (quando necessário), podendo integrar outros técnicos de saúde, consoante os programas e cuidados a prestar.

Refira-se que, face ao equipamento médico que dispõem, estas Unidades Moveis de Saúde permitem realizar alguns exames complementares de diagnóstico, como análises clínicas, electrocardiogramas, exames respiratórios, da visão, assim como efectuar tratamentos de enfermagem, consultas médicas e outras actividades, como rastreios.

A utilização deste recurso, no contexto territorial da Região Alentejo, é fundamental para uma maior acessibilidade às populações de lugares de mais difícil acesso e às pessoas mais isoladas.

Na verdade, ao deslocar os meios técnicos e humanos diferenciados de prestação de cuidados de saúde aos diferentes aglomerados rurais, permite um atendimento personalizado e de proximidade aos utentes, segundo um calendário de serviço, de Segunda a Sexta-feira.

Para além disso, ao melhorar o acesso dos utentes aos meios técnicos e humanos diferenciados, permite prestar-lhes cuidados de saúde em tempo útil, contribuindo para uma melhoria do seu estado de saúde e diminuição da sua morbilidade.

Por último, ao dispensar os utentes de se deslocarem aos centros urbanos para receberem cuidados de saúde, reduz os custos com transportes que teriam que suportar, e as horas de trabalho que deixam de perder (o Alentejo é deficitariamente servido de transportes públicos, pelo que uma deslocação a um centro urbano implica, na maioria das vezes, a perda de um dia de trabalho do utente e, no caso dos idosos, do acompanhante).

Em suma, a actuação destas Unidades Móveis proporciona aos utentes a obtenção de ganhos em saúde e bem-estar, com a redução das deslocações e de perdas de horas de trabalho, bem como a redução de desigualdades, a par de uma racionalização de meios e de combate ao desperdício.

Recomendações

Pontos Fortes:
  • Melhorar a prestação de cuidados aos cidadãos em proximidade e de forma adequada, efectiva e eficiente;
  • Aumentar a acessibilidade a serviços de melhor qualidade e adaptados às reais necessidades da população;
  • Aproximar os utentes da relação privilegiada com os profissionais de saúde – maior personalização do contacto;
  • Promover a eficiência global dos serviços de saúde através da racionalização da utilização dos recursos existentes;
  • Prestar Cuidados Médicos e de Enfermagem a grupos populacionais com maior dificuldade de acesso aos cuidados de saúde;
  • Realizar acções de Prevenção da Doença e de Promoção de Saúde;
  • Estabelecer uma relação de proximidade com as pessoas que vivem em zonas mais isoladas.
Próximas Acções

Alargamento da frota de Unidades Móveis, com o objectivo de, no curto prazo, se reduzirem as distâncias e os custos aos utentes na prestação de cuidados de saúde, das pessoas mais isoladas no Alentejo. 

Resultados

Os resultados apresentados pelas equipas que compõem as Unidades Móveis têm-se revelado bastante animadores e mostram que as populações abrangidas têm aderido de massiva a esta iniciativa da ARS Alentejo:
  • Grande motivação e mobilização dos profissionais para os novos desafios – percepção da importância da alteração;
  • Adesão dos vários intervenientes à nova filosofia – envolvimento da sociedade em geral;
  • Consciencialização da população sobre a mais valia das UMS;
  • Monitorização e avaliação permanente – ser um processo transparente.
Ponto de Contacto

Fernando Miranda
ARS Alentejo
fernando.miranda@arsalentejo.min-saude.pt
 
Daniel Cachopas
ARS Alentejo
daniel.cachopas@arsalentejo.min-saude.pt

 Última Actualização: segunda-feira, 15 de Junho de 2009