Portal da Saúde
O "Portal da Saúde" é um projecto do Ministério da Saúde, com o objectivo de melhorar a prestação de informação e serviços ao cidadão, através da gestão integrada de canais de comunicação não presenciais. Foi lançado, na Internet, em Dezembro de 2005. Constitui-se como o principal ponto de acesso ao universo da saúde em Portugal.

Iniciativa: Portal da Saúde
Entidade: Secretaria Geral do Ministério da Saúde
Destinatários/Beneficiários: Cidadãos
Categoria: Serviços ao Cidadão
Ponto de Situação: Concluído
Custos: O "Portal da Saúde" resultou de uma parceria com um organismo do universo da administração indirecta do Ministério da Saúde, a Administração Central do Sistema de Saúde, IP, responsável pela infraestrutura, e com uma organização privada, a Microsoft, que desenvolveu o portal. Como tal, os custos foram reduzidos.
Site: www.portaldasaude.pt ou www.min-saude.pt


O projecto envolve todos os serviços e organismos do Ministério da Saúde, abrindo caminho à partilha de experiência e conhecimentos, explorando os conceitos de parceria e trabalho em rede. Promove ainda as melhores práticas na comunicação com o cidadão.

No âmbito do desenvolvimento do projecto, foram sentidas algumas resistências internas, sobretudo no que toca à adopção de uma linguagem nova, à criação de expectativas inconcretizáveis para os cidadãos e aos recursos acarretados pela gestão de um portal.

Para fazer face às necessidades de actualização permanente e envolver os restantes organismos e serviços do Ministério da Saúde, optou-se por uma ferramenta de gestão de conteúdos colaborativa, acessível a todos os parceiros.

Foram promovidas reuniões de apresentação e dinamização do conceito e da imagem do Portal da Saúde junto dos dirigentes dos organismos e serviços. A estes dirigentes foi apresentado um perfil de colaborador assente na aptidão para comunicar com o público.

Para dinamizar e formar uma equipa constituída por mais de 50 colaboradores, espalhados pelo país e por diferentes serviços e organismos, realizaram-se sessões de trabalho presenciais, onde foram abordadas questões técnicas, mas também de acessibilidade e das especificidades da escrita para Internet. Foi criado um site de equipa onde toda a documentação de apoio está disponível.

Para responder às questões de uniformização do estilo e da mensagem foi criado um guia de escrita e estilo, um documento de referência para os parceiros, onde se estabilizam algumas normas para a construção de conteúdos.

Recomendações

Conceito: Para construir um portal deve começar-se pela criação do conceito, definindo-se: enquadramento, missão, público-alvo, objectivos estratégicos, metodologias e perfil da equipa.

Adesão: Para conquistar o público, o projecto deve primeiro ganhar a simpatia interna. O conceito deve ser apresentado à organização, aproveitando para recolher contributos.

Taxionomia: O terceiro passo consiste na criação da taxionomia, isto é, na definição do que serão os conteúdos. É muito importante, neste passo, auscultar as pessoas que estão em contacto com o público-alvo e visitar outros portais do mesmo universo. A linguagem utilizada deve estar o mais próxima possível do público.

Organização da informação: Na definição da taxionomia devemos ter cuidados adicionais com a organização da informação, pois a navegação deve ser o mais transparente e intuitiva possível. Num portal com muita informação e onde não seja possível privilegiar uma estrutura horizontal e com menus reduzidos, há que apostar numa ferramenta de pesquisa potente e orientar o portal para a pesquisa.

Página inicial: Definida a taxionomia, estipuladas as áreas e os respectivos canais, há que organizar a página inicial, aproveitando bem o espaço, mas oferecendo áreas em branco para respirar. O motor de busca deve ser privilegiado, bem como botões de acesso directo para canais, conteúdos ou serviços considerados mais interessantes. A página inicial deve contemplar, em espaço privilegiado, uma área de conteúdos mais dinâmica, como a área de Notícias, garantindo que a página inicial sofre mudanças regulares e merece, por isso, frequentes visitas.

Identidade: A linguagem e o estilo são questões fulcrais na identidade de um portal. Uma vez que a maior parte dos portais acolhe contributos de diferentes pessoas, a elaboração de um pequeno manual de escrita e estilo, definindo pequenas regras, ajuda.

Divulgação: Para divulgação do portal, recomendamos um postal electrónico. É uma solução que implica poucos recursos, é ecológica, perene e de circulação ilimitada.

Próximas Acções

O Portal da Saúde tem vindo a apostar em:
  • Optimização da plataforma, que inclui outros portais do Ministério da Saúde, como o da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados;
  • Desenvolvimento de projectos em articulação com outros organismos para disponibilização de novos conteúdos e serviços e partilha de informação:
    • Microsites dos cuidados de saúde primários - Deverão oferecer, em breve, o serviço de marcação online de consultas.
    • Base de dados de Prestadores de Serviços de Saúde do Ministério da Saúde - Trata-se de uma base de dados de serviços/prestadores de todo o Ministério da Saúde, farmácias e entidades convencionadas, que é actualizada online pelos próprios serviços. É um repositório de informação complexo, uma vez que contém informação institucional e operacional de grande detalhe. Constitui a base do reencaminhamento de cidadãos pela linha Saúde 24.
    • Sistema Integrado de Informação de Farmácias - Aplicação de gestão dos horários das farmácias e geração de mapas, desenvolvida à medida, com vista a oferecer serviço de consulta de horários e serviços das farmácias.
  • Gestão de portais:
Resultados

Estatísticas de acesso referentes a 2007 (pdf, 164 KB)

Ponto de Contacto


Lina Freitas
info_portal@sg.min-saude.pt

 Última Actualização: quarta-feira, 17 de Setembro de 2008