HUMANUS-CAM Centro de Apoio à Mulher
O Projecto HUMANUS-CAM integrou 30 jovens grávidas/mães, dos 15 aos 19 anos, e seus filhos, dos três meses aos três anos, tendo como prioridade de intervenção a gravidade de risco de exclusão social e/ou violência sofrido por estes. Dada a natureza experimental do Projecto, foi objectivo estruturante criar uma equipa de trabalho coesa, da qual as jovens mulheres foram parte integrante, contribuindo também para a validação dos produtos do projecto em dois momentos distintos (intermédio e final), pelo que a sua admissão (Março e Dezembro 2006) ocorre em dois grupos (15 jovens cada), permitindo a reflexão a aprendizagem colectiva o reajustamento, sua posterior análise para inclusão nos produtos finais.

Iniciativa: HUMANUS-CAM Centro de Apoio à Mulher
Entidade: Associação Humanidades
Entidades parceiras: APF - Associação para o planeamento da família; Santa Casa da Misericórdia de Albufeira; Hospital Júlio de Matos; Hospital Miguel Bombarda; PERFIL - Psicologia e Trabalho, Lda.; CIDM - Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres; DGIDC -Direcção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular; Junta Diocesana de Faro - Protecção à Rapariga; CIG - Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género; e AAPEA - Associação de Apoio à Pessoa Excepcional do Algarve
Destinatários/Beneficiários potenciais: Jovens, dos 15 aos 19 anos, grávidas ou mães e seus/suas filhos/as (dos três aos 36 meses) em risco sócio económico e/ou de violência, residentes na área de Lisboa.
Categoria: Serviços ao Cidadão
Ponto de Situação: Concluído. O projecto teve início no dia 3 de Janeiro de 2005 e terminou a 30 de Junho de 2009.
Site: www.humanus.pt

O Projecto visou a concepção, experimentação e validação do modelo de funcionamento do Centro de Apoio à Mulher (CAM), como resposta às necessidades diagnosticadas pelas jovens mães, nomeadamente o acesso a emprego não precário, aquisição de competências parentais e construção/gestão de projecto de vida que facilite a ruptura com os ciclos de exclusão, de uma estrutura de suporte para os seus filhos e para as próprias em situação de crise grave.

Promoveu a participação activa e contribuição das jovens em todas as actividades, nomeadamente gestão e funcionamento das estruturas CAM (residência temporária, creche, serviços da apoio/inserção), permitindo a aquisição de competências transferíveis para outros contextos. As jovens foram consideradas parte integrante da Parceria de Desenvolvimento, Conselho de Acompanhamento, através de processo de representação democrática, permitindo-lhes o exercício dos direitos e deveres como cidadãs com capacidade de autonomia/voz e responsabilidade.

A intervenção do Projecto desenvolveu-se numa perspectiva individualizada mas articulada com a comunidade de origem, pela que a residência temporária funcionou, e funciona actualmente, como estrutura de suporte apenas em situação de extrema gravidade, para permitir a reorganização e retorno rápido à sua comunidade, o Projecto potenciou a cooperação em rede e forneceu/fornece respostas ainda não disponíveis nas comunidades.

A utilização da metodologia do emprego apoiado, pela formação em contexto de trabalho permitiu sensibilizar e mobilizar as empresas para o recrutamento das jovens pela valorização efectiva do seu potencial e capitalização das suas competências e experiências.

Foi desenvolvida, experimentada, validada e disseminada uma abordagem nova de acolhimento, orientação, formação e inserção pela aquisição de instrumentos e competências de gestão, planeamento e avaliação para a construção do seu projecto de vida e de formação em competências básicas para a vida/maternidade/cidadania e em contexto de trabalho que promovem a auto-determinação e empowerment – contribuindo para a ruptura com os ciclos de exclusão relacionados com o fenómeno da maternidade na adolescência.

Foi testada a gestão e funcionamento da creche, permitindo conciliar a maternidade com a integração no Projecto e proporcionou-se um relacionamento mãe filho equilibrado e o crescimento familiar. A creche abriu-se também à comunidade, minimizando eventual estigma, promovendo a interacção com outras crianças, abrindo o espaço Parque de Saúde à comunidade e permitindo um processo de sustentabilidade.

Recomendações

Com vista à implementação deste Projecto recomenda-se:
  • O envolvimento de todos os níveis organizacionais (do nível de decisão estratégico ao operacional) no processo de desconstrução proposto;
  • Identificação clara de necessidades;
  • Formação à equipa para a implementação da metodologia e utilização parcelar ou na totalidade das ferramentas/produto.
A Associação Humanidades pode fornecer serviço de consultoria com vista à facilitação da utilização da metodologia/ferramentas.

Anexos
 
Gestão Participada e Aquisição de Competências - Ficha da RTP no Directório da EQUAL disponível na plataforma do SIIFSE (html)

Resultados

Criação de uma estrutura de resposta integrada - o Centro de Apoio à Mulher (CAM): Creche, Centro de Apoio à Vida com as vertentes Acolhimento (residência temporária) e Acompanhamento (centro de desenvolvimento pessoal, social) cujo funcionamento mantém a perspectiva de intervenção social holística veiculada pelo projecto Humanus-CAM assenta numa mobilização simultânea das diversas dimensões da qualidade social, a saber, (i) Segurança Socio-Económica, através da promoção do acesso à saúde, segurança social, ensino e aprendizagem, (ii) Coesão Social, por via do fomento das relações interpessoais e pelo recurso às famílias/ comunidades de origem e elementos significantes e (iii) Inclusão e Igualdade de Oportunidades nas Instituições, partindo da promoção da inserção no mercado de trabalho e do acesso a serviços de guarda de crianças, com a participação alargada dos públicos-alvo na tomada de decisão estratégica e operacional, isto é, com o (iv) Empowerment a assumir-se como a filosofia orientadora de toda a intervenção.

Perspectiva de intervenção Humanus-CAM

Perspectiva de intervenção Humanus-CAM

Clique na imagem para a aumentar.

 
Produto:
  • "Gestão Participada e Aquisição de Competências – ensaio no contexto da gravidez e maternidade precoces” - Produto, ancorado numa história “Guia de Viagem”, narrativa do projecto e da metodologia subjacente à prática. Constituído por cinco subprodutos, apresentados em suportes distintos, permitindo a sua utilização autónoma e a sua transferibilidade de acordo com as necessidades/interesses identificados pelos utilizadores. Produto facilitador do desempenho profissional na medida em que disponibiliza recursos técnico-pedagógicos testados, estimuladores nos públicos-alvo de autonomia na aprendizagem e a sua transferência para o quotidiano, permitindo um desempenho flexível de acordo com as suas necessidades/interesses.

Subprodutos:

  • Prática Bem Sucedida - “Autobiografia de uma Prática - Guia de Viagem”:
    • CD – encartado em livro. Narrativa de uma prática, acompanhada de evidências e reflexões, estruturada em dois tipos de linguagem que podem ser acedidos à medida que se percorre o texto base, reunindo de forma prática as dimensões e passos de utilização da metodologia, constituindo-se como uma check-list facilitadora de transferência para outros contextos;
    • Conteúdos/metodologias transferíveis:
      • Construção de estruturas de suporte (remodelação de espaços físicos);
      • Construção da Equipa;
      • Metodologia de empowerment/gestão participada.
    • O subproduto visa estimular a reflexão sobre a organização e funcionamento dos serviços que se dirigem a públicos em risco de exclusão, bem como fornecer um referencial para o seu desenvolvimento numa óptica de promoção de direitos e deveres de cidadania, permitindo uma gestão participada por objectivos.

 

  • Prática Bem Sucedida - “Histórias de Incorporação”:
    • CD – Narrativa de prática enquanto registo reflexivo do roteiro de disseminação/incorporação responde à necessidade de evidenciar a incorporação efectivamente ocorrida em diferentes entidades, como potenciais exemplos/ factor de futuro interesse para outras entidades e ainda como evidência da flexibilidade e interesse do produto, isto é, a potencialidade da orientação metodológica do empowerment, como ferramenta de gestão e de promoção da aquisição de competências independentemente da tipologia de circunstância promotora da exclusão (público-alvo) bem como relativamente à natureza jurídica e dimensão das organizações;
    • Evidência de exequibilidade de uma incorporação à medida e ritmo de cada entidade, aspecto bem visível nas diferentes histórias relatadas, tendo em conta o carácter adaptável, modelarizável, podendo cada subproduto ser ajustado a diversos contextos de utilização e utilizado parcialmente, permitindo uma apropriação de acordo com as necessidades identificadas pelas organizações, agentes e públicos-alvo.

  • Recurso Técnico Pedagógico - “ExpressArte – Recursos Didácticos Para Aprender a Ser Mais”:
    • CD Pacote formativo de “Competências Básicas para a Vida” (no séc. XXI). Os materiais técnico-pedagógicos foram concebidos com preocupações de grande adequabilidade ao público-alvo (baixa escolaridade, relevância das temáticas, necessidade de estimular a curiosidade e o interesse em aprender), testados e melhorados com a participação activa dos intervenientes (PD e público-alvo);
    • O sub-produto surge com uma grau elevado de transferibilidade dada a natureza modular dos seus conteúdos, que possibilita a definição de percursos diferenciados de formação e a flexibilidade na aprendizagem (numa perspectiva de aprendizagem autónoma). Integra um percurso definido no âmbito do projecto Humanus-CAM, reunidos em 13 módulos temáticos:
      • Aprender pela arte;
      • Aprender e a relação Humana;
      • Competências parentais;
      • Competências-chave para o Emprego;
      • Chikung e Tuína;
      • Expressão Dramática;
      • Dança;
      • Dança - movimento amalgama;
      • TIC informática na óptica do utilizador e Internet;
      • Igualdade de género;
      • Inglês iniciação;
      • Comunicação oral e escrita;
      • Noções básicas do trabalho - A Visão da Lei.
    • Cada um dos 13 Módulos de formação, autonomizáveis, são constituídos por:
      • Um guia do formador, com os objectivos, conteúdos, carga horária, planos de sessão com os métodos e estratégias pedagógicas aconselhadas e as metodologias de avaliação inclui também as apresentações em powerpoint;
      • Um manual de formando onde estão definidos os objectivos, conteúdos e a exploração das temáticas, bem como pistas para o seu aprofundamento
  • Recurso Técnico Pedagógico - “Esta cena dava um filme! – Textos e Contextos para uma reflexão de Género”:
    • CD -Jogo lúdico-didáctico, utilizável em grupo (máximo 15 jovens), entre os 12 e os 19 anos, promotor da reflexão sobre a tomada de decisões, assumir responsabilidades, definir o próprio futuro, nomeadamente no que toca à gravidez; Ferramenta testada e redefinida a partir da participação de vários grupos informais de jovens, facilitadora da intervenção dos profissionais em termos de prevenção de comportamentos de risco em Saúde Sexual e Reprodutiva e gravidez precoce;
    • Estudo sobre “O impacto da gravidez adolescente: perspectiva paterna”.
  • Recurso para Formação à Distância - “Empowerment; Competências Parentais; Igualdade de Género”:
    • CD Recurso técnico pedagógico de apoio ao desenvolvimento de processos de aprendizagem autónomos em 3 áreas consideradas prioritárias pelos grupos-alvo e profissionais – Empowerment, Igualdade de Género e Competências Parentais, com ajustamento a processos individuais ou colectivos de auto-estudo, e-learning e b-learning.
Ponto de Contacto

Isabel Lopes
Coordenação técnica
Associação Humanidades
Tel.: (+351) 2109 96 493
isabel.lopes@humanus.pt

 Última Actualização: quinta-feira, 19 de Agosto de 2010