Geração - Oportunidade

O Projecto “Oportunidade” foi o arranque de um programa mais vasto de desenvolvimento social e humano centrado nas 2ª e 3ª gerações de imigrantes, designado “GERAÇÃO”, desenvolvido nesta área aproveitando na altura, o recente realojamento no Bairro da Boba como uma janela de Oportunidade para a mudança e Capacitação/Empowerment de uma comunidade em situação de exclusão.


Iniciativa: Geração/Oportunidade
Entidade: Câmara Municipal da Amadora, Fundação Calouste Gulbenkian e Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas (actual ACIDI, IP)
Destinatários/Beneficiários potenciais: Jovens e crianças da 2ª e 3ª geração de imigrantes pertencentes à população cabo-verdiana do Casal da Boba, freguesia de S. Brás. 
Categoria: Serviços ao Cidadão
Ponto de Situação: Este projecto foi concluído, tendo sido constituído por 3 acções:  
Acção 1 teve como objectivo dinamizar/constituir a parceria nacional e transnacional; Acção 2 – foram elaborados quatro produtos, sendo que dois foram aprovados pelo programa: 1) Metodologia para a Formação de Equipas Mistas de Facilitadores (as); 2) Kit pedagógico constituído por um livro de ficção, um manual de Profissões de A a Z e um jogo de cartas; Acção 3 - disseminação dos produtos. 

O projecto Oportunidade teve como alvos as crianças e jovens da 2ª e 3ª geração de imigrantes realojados no Bairro da Boba em 2002/03 provenientes na sua maioria dos bairros degradados das Fontaínhas e Bairro Azul. Do total da população realojada, 63% eram de origem cabo-verdiana sendo que, destes, 72% eram naturais de Cabo Verde e 28% eram naturais de Lisboa.

Com esta iniciativa, pretendeu-se atingir os seguintes objectivos:
  • Empowerment de 2.ª e 3.ª geração de descendentes de imigrantes, identificando/reforçando lideranças jovens assentes em modelos de afirmação positiva;
  • Envolver 62% da população com idade entre os 3 e os 15 anos;
  • Envolver 12 mães adolescentes (67% das 18 tem 2.º e 3.º CEB) em percursos de educação/formação/emprego, com conclusão do 9º Ano. Guarda de 20 crianças em creche;
  • Criar prolongamento para 64 crianças (3 - 9 anos);
  • Reduzir abstenção/abandono escolar de 75 jovens (dos 10 aos 16 anos) que estejam “na rua” e/ou em risco de abandono escolar (2º e 3º CEB);
  • Alargar espectro de saídas profissionais futuras;
  • Envolver 25 jovens (dos 16 aos 19 anos) em actividades Ocupacionais/vocacionais;
  • Envolver 34 jovens (dos 20 aos 30 anos) em RVCC e percursos formação/emprego (17% dos 16/30);
  • Atenuar barreiras saúde de dependentes a cargo face a oportunidades;
  • Aconselhar e apoiar jurídica/psicossocial 70 dos 122 jovens (14 - 19 anos) com problemas com a justiça;
  • Motivar/encaminhar para educação/formação/emprego.

No bairro alguns indicadores diagnosticados em 2001 e 2005, revelaram as principais necessidades de intervenção, reforçando a sua urgência: 

  • Desemprego: 36,5% em 2001, 70,5% em 2005; 
  • Abandono Escolar: 6% em 2001, 6% em 2005; 
  • Famílias com rendimentos exclusivamente provenientes de apoios sociais: 15% em 2001, 17% em 2005.
Tratando-se de uma comunidade em risco de exclusão, identificou-se um conjunto de factores de exclusão, centrados no indivíduo, nos défices de competências e oportunidades que os mesmos geram e perpetuam, de forma cíclica e de geração em geração. Esta condição, fortemente redutora da Cidadania, da opção e autodeterminação individual, do acesso em igualdade de oportunidades à educação, formação, emprego e limitativa da mobilidade social.

Dimensões de intervenção do projecto: 
  • Combater precocemente factores de exclusão com repercussões na empregabilidade futura de Jovens e Crianças (Educação); 
  • Promover o regresso à escola e a conclusão da Escolaridade Obrigatória; 
  • Desenvolver competências vocacionais para a formação e emprego futuro (Empregabilidade); 
  • Promover o empowerment e o desenvolvimento de competências pessoais habilitantes à escolha e prosseguimento de percursos de Educação/Formação/Emprego; 
  • Interceder junto do meio empresarial potencialmente empregador no sentido da criação de oportunidades de trabalho; 

Responder à necessidade de as organizações de base Local, a Administração Local, os serviços locais da Administração Central (Seg. Social, Emprego, Educação) e o Sector Privado, actuarem articuladamente em parceria com dimensões estratégicas e de planeamento, mas também operacionais na gestão do caso junto da família.

Para o efeito, ensaiou-se a celebração de contratos familiares, com direitos e contrapartidas, de forma a regular vinculativamente os diferentes apoios garantindo que os mesmos constituíssem um investimento no desenvolvimento dos membros da família e desta no seu todo, em igualdade de oportunidades, e não uma forma de manter e perpetuar dependências face ao exterior.

Dificuldades sentidas/Obstáculos ultrapassados: 

  • Dificuldades em identificar jovens com problemas com a justiça, na medida em que a instabilidade e o receio funcionaram como obstáculo à intervenção. O trabalho dos facilitadores assentou sobretudo numa perspectiva de prevenção primária dos comportamentos de risco; 
  • A precariedade das condições socioeconómicas, a instabilidade familiar das jovens e a dificuldade em perspectivar a médio e longo prazo, implicaram constantes alterações no projecto, de forma a ajustar as acções, às necessidades.

Próximas Acções

O projecto Geração tem continuidade, na medida em que algumas acções se tornaram auto-sustentáveis tendo sido incorporados novos parceiros com capacidade técnica e económica para prosseguir a intervenção. Nomeadamente:

  • O “Aprender & Brincar” é uma acção intergeracional desenvolvida pela Santa Casa da Misericórdia da Amadora, tem como objectivo envolver a criança, a escola, a comunidade e a família, com implementação de actividades Socio-Educativas: dança; teatro; desporto; expressão livre; investigação e outras – enquadradas nos Clubes da Escola, com planificações e objectivos específicos, seguindo um modelo integrado de animação e desenvolvimento social dos destinatários.
  • É ainda um elemento importante na autonomia de toda a família, nas questões da Empregabilidade, no sentido que o efeito “dominó” que provoca, liberta a família para assegurar e manter o horário de trabalho, podendo dessa forma assumir compromissos e encargos sociais com diferentes entidades.
  • Ao nível da sustentabilidade, o ATL atingiu a autonomia financeira. Por as tabelas de preços terem sido pensadas antecipadamente para este fim e por ter sido realizado, entretanto, um acordo atípico com a Segurança Social, será possível manter o mesmo nível de receitas com menos despesas para as famílias.
  • Esta solução de sustentabilidade financeira não contempla, contudo, as actividades extra curriculares, como os clubes. Por este motivo, os responsáveis procuram alternativas de financiamento dessas actividades, que pretendem concentrar nas crianças do Jardim de Infância, aproveitando o facto de as actividades de enriquecimento terem dado resposta substancial à necessidade de ocupação de tempos livres dos alunos do 1º ciclo.
  • A “Orquestra Geração” acção desenvolvida pela Escola de Musica do Conservatório Nacional. As aulas decorrem na Escola Básica 2, 3 Ciclos de Miguel Torga. Visa criar uma orquestra juvenil com 80 crianças e jovens do bairro e de fora dele. A iniciativa inspira-se no Sistema Juvenil de Orquestras Venezuelanas. Ainda em 2007, professores da Venezuela vieram dar formação a professores portugueses no método seguido, mais direccionado para a prática musical em grupo do que os métodos de ensino tradicionais. Terá continuidade como apoio do Ministério da Educação (assumiu o pagamento dos professores) e verbas da Fundação EDP, Fundação Calouste Gulbenkian e Câmara Municipal da Amadora.
  • A “Oficina de Penteados”, acção desenvolvida pela Escola Básica 2, 3 Ciclos de Miguel Torga, tem o objectivo de promover a empregabilidade de jovens com um mínimo de 15 anos e um perfil de insucesso escolar. Consiste num curso de formação em Cuidados de Beleza - Cabeleireiro de Nível II, composto por um ano de formação e um ano de estágio, que possibilita a obtenção de uma carteira profissional e a equivalência ao 9º ano. Terá continuidade com o apoio do Ministério da Educação (assumiu o pagamento dos formadores), L’Oreal e Rui Romano, (cedência de produtos e consumíveis de desgaste rápido, respectivamente).
  • Aulas de Judo, acção desenvolvida pela Escola de Judo Nuno Delgado, que consiste em aulas de judo que decorrem na Escola Básica 2, 3 Ciclos de Miguel Torga. Os critérios de selecção para atribuição do subsídio de frequência procuram premiar o bom comportamento e a assiduidade, mas também dão uma oportunidade aos alunos mais indisciplinados. O financiamento é da Fundação Calouste Gulbenkian.
  • “Geração Benfica”, protocolo assinado entre a Fundação Benfica e a Câmara Municipal da Amadora, cujo objectivo é a intervenção nas seguintes áreas: educação/ cultura, TIC, Saúde e Desporto, com vista à mobilização de crianças e jovens na promoção e aplicação de estilos de vida saudáveis, prática desportiva, desenvolvimento de metodologias que permitam às crianças e jovens a aquisição de competências em tecnologias de informação, educação e cultura, visando a sua melhoria de qualificação pessoal e ainda interesse pela prática desportiva, em diferentes modalidades.
Anexos

Desdobravel do Projecto Geracao.pdf (pdf, 214 KB)
Dossiê Especial Expresso_Dezembro 2008_ Inovação Social Dez08.pdf (pdf, 88 KB)
Triptico produtos.pdf (pdf, 88 KB)



Resultados

O projecto desenvolveu, em parceria e com o envolvimento do público-alvo, três produtos:

1) Congresso de Zona
Corresponde a uma prática da implementação do Projecto, na Urbanização do Casal da Boba, que pretende, desde a sua génese, atingir um elevado nível de desenvolvimento, de consolidação da parceria de desenvolvimento e cooperação entre parceiros, aproximar as instituições ao público-alvo, transferir informação e envolver a população no processo. O guião logístico Congresso de Zona é um documento que detalha os passos a seguir na execução deste evento e demonstra os resultados da aplicabilidade no terreno.
A iniciativa tem a duração de dois dias e assenta em três vertentes distintas, designadamente:
Comunicações: devem ser apresentadas por um conjunto de oradores, com um background diversificado, sendo composto quer por técnicos (investigadores, autarcas, Organizações Não Governamentais, Serviços Locais, etc…) com a pretensão de divulgar a intervenção realizada no terreno; quer por indivíduos representantes da população do bairro (comerciantes, trabalhadores de serviço do bairro, jovens que foram alvo de intervenções, etc…) com o objectivo de criar um espaço de expressão das próprias opiniões e necessidades;
Feira de Oportunidades: stands de exposição do trabalho efectuado no terreno por diversas instituições/ associações sedeadas no bairro, realização de actividades dinamizadas pelos parceiros e serviços de atendimento e disponibilização de informação ao público. Na feira de oportunidades destaca-se ainda a Linha Directa que se define como uma experiência piloto na área autárquica, permitindo um ponto de contacto entre os moradores do bairro e elementos de administração autárquica. Os atendimentos devem ser realizados em privado e mediante inscrição prévia;
Gala: iniciativa com o intuito de demonstrar e valorizar as actividades realizadas ao longo do ano com o público-alvo, possibilitando igualmente a participação de outros intervenientes da comunidade, por exemplo, através de um casting organizado profissionalmente.

2) Metodologia Para a Formação de Equipas Mistas de Facilitadores (as)
O produto é uma narrativa de uma experiência de intervenção num bairro, na qual os facilitadores/as têm um papel fulcral como dinamizadores de uma comunidade; um manual demonstrativo do processo de desenvolvimento e implantação das equipas de facilitadores/as no bairro, bem como um manual de utilização destas equipas no terreno.
O produto é um conjunto de três ferramentas que dá a conhecer uma metodologia de trabalho aplicada e desenvolvida ao longo do projecto Oportunidade. Muito embora seja um produto composto por três ferramentas, cujos destinatários são diferentes, pode ser utilizado em conjunto ou individualmente, conforme os objectivos a alcançar.

  • Manual / Metodologia para a formação de equipas de rua: É um manual para a formação de equipas de rua constituídas por um elemento com formação superior na área social e por um/a jovem do bairro, com a descrição dos momentos chave necessários para a constituição e coesão das mesmas, bem como a formação necessária para a intervenção num bairro. As principais fases abordadas são: candidatura e processo de selecção, realização da acção e trabalho no terreno;
  • Conjunto de Fichas de Actividades: Inclui a descrição das diversas actividades desenvolvidas pelos/as facilitadores/as do decorrer da sua actividade no bairro e com a população. É um manual de campo que permite a consulta permanente, dando resposta às necessidades no imediato;
  • Guia de Recursos: Contém informação relativa a temáticas diversas, visando responder às necessidades da população. Encontra-se organizado pelas seguintes áreas: saúde, educação, protecção social, habitação e outros.

3) “O que eu vou ser … quando for grande”

  • O Kit pedagógico é um conjunto de materiais articulados e orientados para a sensibilização precoce das crianças da faixa etária dos 8 aos 12 anos, para a necessidade de um futuro profissional e de um percurso escolar. Este conjunto assume o formato de um kit pedagógico constituído por:
  • Livro de ficção: Criação de uma ficção que enquadra correctamente as profissões e estimula a leitura do Manual de Profissões: as crianças revêem-se nos personagens, reconhecem os seus diálogos e sonhos expressos sobre o seu futuro. Reconhecem os locais onde se desenrola a narrativa – escola, biblioteca, rua, bairro e partilham as expectativas de um futuro que ultrapassa as fronteiras do seu bairro. A ficção explora os valores de Cidadania, Multiculturalidade, Igualdade e Solidariedade e inclui os princípios Equal. Introduz elementos do património cultural cabo-verdiano e português. Inclui um Glossário que traduz/define expressões do crioulo e expressões de gíria, em expressões do português padrão. Inclui Exercícios variados (questionários, exercícios de Verdadeiro/Falso...) para consolidar e desenvolver nos leitores(as) as temáticas abordadas;
  • Manual de Profissões de A a Z: Construído a partir de um leque de profissões escolhidas pelas crianças em sondagens efectuadas e de um conjunto de profissões sugeridas pelos(as) autores(as). De A a Z são trabalhadas 35 profissões. É apresentada uma definição de profissão, percurso académico necessário, vocação para, utilizando uma linguagem acessível aos utilizadores(as). As profissões são ilustradas com trabalhos escritos e desenhos, extractos de entrevistas a profissionais, efectuados pelas crianças. Contem folhas em branco, com a orientação metodológica para os utilizadores(as) do manual, desenvolverem individualmente, competências através de pesquisa de outras profissões. Apresenta situações que, não prefigurando profissões, lhes estão comummente associadas (político(a), voluntário(a), figura religiosa (padre), sendo também incluída a figura social do(a) desempregado(a));
  • O Que Eu Vou Ser: Jogo de cartas constituído por um baralho de cartas predefinidas diferenciadas pelas cores que representam uma área: “profissão” (definição da profissão); “caminho” (percurso escolar/profissional); “problema” (situação problemática concreta e consequências negativas); “solução” (alternativa/alerta positivo face à situação correspondente); um baralho de cartas “em branco” (diferenciadas pelas mesmas cores mas sem texto) a preencher pelas crianças após exploração pedagógica com apoio de profissionais; um dado; instruções para as crianças; instruções/sugestões para profissionais de educação. O objectivo do jogo é conquistar uma profissão, o percurso académico/profissional necessário, ultrapassar obstáculos, desenvolvendo competências pessoais e sociais.

Recomendações

Neste projecto, destacam-se como pontos fortes:
  • Intervenção assente em acções integradas e articuladas potenciando o trabalho em rede e em parceria entre as várias entidades da parceria de desenvolvimento, formação de jovens do bairro com capacidade de liderança como facilitadores, funcionando estes como modelos positivos nos processos comportamentais juvenis;
  • Aumento das habilitações escolares de algumas mães adolescentes, contribuindo para a elaboração de projectos de vida mais realistas e com repercussões no seio familiar;
  • Utilização de contratos familiares como estratégia promotora de motivação para a própria mudança;
  • Efeito multiplicador das acções desenvolvidas com as crianças, jovens, adultos e idosos;
  • Realização de actividades diversificadas e estimulantes;
  • Encaminhamento para a realização de processos de RVCC e formação nas “Novas Oportunidades”, contribuindo para a definição de percursos viáveis de formação/emprego;
  • Grande envolvimento e disponibilidade por parte do tecido empresarial;
  • Aumento do espírito empreendedor;
  • Diminuição de barreiras existentes ao nível do acesso à saúde.

    Um dos aspectos inovadores consistiu na criação de equipas de facilitadores e na metodologia de actuação no terreno. No início do projecto pretendia-se realizar uma intervenção junto de jovens e crianças. No entanto, verificou-se que estes não podiam ser dissociados das suas famílias, passando então o projecto a envolver também adultos e outros utentes que não só residissem mas também trabalhassem e estudassem na urbanização. A criação dos produtos contribuiu para a concretização do empowerment. Durante a fase de validação final, perspectivou-se a estratégia para uma disseminação adequada a vários públicos, tanto no território nacional como europeu, tendo-se criado uma parceria de disseminação.

Nesse sentido destacam-se as seguintes boas práticas: 

  • A possibilidade das acções do projecto poderem ser adaptadas, disseminadas e replicadas em outras zonas críticas, assim como a potenciação do trabalho em rede e promoção da optimização dos recursos locais (materiais e humanos);
  • Conhecer processos e metodologias em diferentes contextos urbanos que denotam problemas estruturais semelhantes envolvendo populações-alvo da mesma natureza; 
  • Abordagem centrada na pessoa e no seu empowerment; 
  •  Cooperação transnacional; 
  •  Laboratório de ensaio mútuo (Amadora/Roterdão), em pequena escala, de metodologias de intervenção, monitorizar e comparar resultados; 
  •  Envolvimento efectivo e não paternalista dos técnicos e do poder político municipal.

A intervenção centrou-se no indivíduo e na motivação para a mudança e na adequação das respostas em função das necessidades. O projecto apelou à participação e ao envolvimento da população promovendo a aproximação e valorização da identidade cultural das comunidades residentes sempre numa perspectiva de “fazer com as populações” contribuindo para uma cultura de tolerância e de respeito.



Ponto de Contacto

Luís Vargas

Director do Departamento de Educação e Cultura
Câmara Municipal da Amadora
Tel.: (+351) 214 948 200

Maria Luisa Sanches Valle
Fundação Calouste Gulbenkian
Tel.: (+351) 217 823 000 

 Última Actualização: segunda-feira, 18 de Outubro de 2010