Academia de Mobilidade (AM)
O ACES Lx Ocidental e Oeiras propõe-se contribuir para a melhoria do estado de saúde e,
consequentemente, da qualidade de vida da sua população.
Título
Academia de Mobilidade (AM)
Entidade
ACES Lisboa Ocidental e Oeiras
Entidades parceiras
ARSLVT, IP
Câmara Municipal de Oeiras
CHLO,EPE
Destinatários/Beneficiários potenciais
Na AM são desenvolvidas diversas actividades, promotoras de saúde pela prática do exercício
físico, nomeadamente: Ginástica Sénior, Danças, Ioga e Reabilitação Motora. Este projecto
aplica-se a todos os utentes do ACES Lisboa Ocidental e Oeiras, da ARSLVT, IP, com idade
igual ou superior a 65 anos, com Grau de dependência ligeira a moderada, problemas
osteoarticulares, problemas cardiovasculares, problemas respiratórios e problemas
neurológicos.
Ponto de Situação
No primeiro ano de funcionamento, a Academia de Mobilidade, funcionou apenas com um
professor para os 143 idosos inscritos até à data. Para podermos crescer, é necessário
formalizar parcerias.

Conscientes desta realidade têm sido desenvolvidos esforços nesse sentido e realizadas
reuniões com a CMO, no sentido de diversificar a oferta de aulas e criar uma rede de locais
de actividade física.

Igualmente com esse objectivo pretendemos formalizar parcerias com a Faculdade de
Motricidade Humana, pois entendemos que este projecto pode ser uma mais-valia para
ambas as instituições, podendo possibilitar um estreitamento de relações conducentes a um
aperfeiçoamento formativo, possibilitando quer a formação dos profissionais da AM, quer um
local para o desenvolvimento de estágios académicos.

Está em elaboração um trabalho de investigação no âmbito da qualidade de vida dos utentes
frequentadores da AM. Com este trabalho pretendemos apurar através desta nova
abordagem nos cuidados de saúde primários, em que medida conseguimos melhorar a
qualidade de vida destes utentes, melhorando a sua mobilidade e funcionalidade, e em que
medida podemos contribuir para uma redução de custos e uma utilização mais racional dos
recursos de saúde. Caso os resultados sejam os que acreditamos ser, pretendemos replicar a
AM pelas outras unidades de saúde deste ACES.
Custos envolvidos
Iniciámos este projecto com algumas actividades que considerámos ser sustentáveis com os
recursos próprios (professor de educação física, enfermeiros com a especialidade de
reabilitação e fisioterapeuta). Presentemente estamos a organizar um programa de
reabilitação cardíaca (para as doenças isquémicas) em parceria com o H. Santa Cruz, uma
vez que recebemos mais uma fisioterapeuta especialista nesta área. De futuro e quando
estes projectos estiverem consolidados, é nossa intenção abraçar programas de combate à
obesidade infantil em parceria com as escolas desta zona de intervenção e quiçá os próprios
profissionais de saúde.
Taxionomia
O ACES III Lisboa Ocidental e Oeiras tem por missão garantir a prestação de cuidados de
saúde primários à população de nove freguesias: (União de freguesias de Algés, Linda-a-
Velha e Cruz Quebrada-Dafundo; União de freguesias de Carnaxide e Queijas; União de
freguesias de Oeiras e São Julião da Barra, Paço de Arcos e Caxias; Freguesia de Barcarena;
Freguesia de Porto Salvo; Freguesia da Ajuda; Freguesia de Alcântara; Freguesia de Belém
(fusão das freguesias de São Francisco Xavier e de St.ª Maria de Belém); Campo de Ourique
(fusão das freguesias de St. Condestável e St.ª Isabel – o ACES presta cuidados apenas à
população de St. Condestável).

A área territorial de influência do ACES corresponde a 61,21 Km², abrange uma população
residente de 233.451 habitantes (Censos 2011), totalizando 234.009 utentes inscritos.
Descrição breve
O ACES Lx Ocidental e Oeiras propõe-se contribuir para a melhoria do estado de saúde e,
consequentemente, da qualidade de vida da sua população. Para tal, estruturou um projecto
inovador no contexto nacional, com a aplicação de um novo modelo baseado na garantia de
saúde através do exercício físico.

A AM tem por Missão: Fomentar a actividade física específica na terceira idade; Reduzir riscos e maximizar as potencialidades no envelhecimento e na saúde; Promover a autonomia, a participação e a qualidade de vida das pessoas idosas;
Promover o envelhecimento activo; Implementar a prática do exercício físico; Melhorar o estado de saúde da população. Descrição pormenorizada
Consciente de que a problemática a que se assiste a nível global é a realidade da população
que serve, o ACES Lisboa Ocidental e Oeiras pretende adotar estratégias que visem reduzir
riscos e maximizar potencialidades no envelhecimento e na saúde, promovendo a autonomia,
a participação e a qualidade de vida das pessoas idosas. Sabemos que a atividade física, a saúde e a qualidade de vida estão intimamente ligadas, como forma de manutenção da
autonomia física, psicológica e social.

A Academia de Mobilidade (AM) está a funcionar em pleno desde Novembro de 2014. Os
utentes em acompanhamento pela AM distribuem-se por 20 aulas semanais, frequentando a
AM 2 a 3 vezes por semana. Na AM realizam sessões de exercícios estruturados, ginástica de
manutenção, reabilitação motora e aulas de dança, proporcionando, a par dos ganhos em
mobilidade, o contacto e a socialização.

Todos os utentes vem referenciados pelo Médico ou pelo Enfermeiro de Família, utilizando-se
uma ficha de referenciação onde são expressos os principais problemas de saúde e a
medicação que habitualmente o utente toma. Antes de iniciarem a atividade, os utentes são
avaliados a fim de ser criado um plano individual de treino.

A cada três meses de permanência na AM são realizados novas avaliações, de modo a ajustar o plano de treino e avaliar os progressos. Decorridos seis meses sobre o início da atividade na AM, são realizadas reavaliações, conducentes à alta da AM ou à permanência por outro período de três meses.

Com a alta da AM, os utentes são orientados para integrarem outras estruturas, existentes
na comunidade, de modo a que mantenham os hábitos e os ganhos adquiridos. Este
acompanhamento é feito em articulação com a Autarquia, dado que os utentes são
integrados em iniciativas e projetos desenvolvidos pela mesma.

Todos os utentes realizaram as baterias de testes Fullerton no início, após 3 meses e 6 meses
de atividade física na AM. Estes testes são um instrumento de avaliação da aptidão física
funcional e do equilíbrio de pessoas com mais de 60 anos. A AM privilegia a área da prevenção primária e secundária, ao nível das doenças cardiovasculares, cerebrovasculares, osteoarticulares, respiratórias, neurológicas e metabólicas, sabendo que a atividade física é, um meio de prevenção da doença para o indivíduo e, para os sistemas de saúde, um dos métodos com melhor custo-efetividade na saúde das populações.
Próximas Acções
De futuro pretende-se alargar a população alvo a outros grupos específicos da população,
nomeadamente: crianças e jovens com obesidade e doentes oncológicos.
Ponto de Contacto
Dr.ª Fátima Nogueira – Diretora-Executiva do ACES;
aces.lxocidoeiras@arslvt.min-saude.pt
E-mail da Academia de Mobilidade: academia.mobilidade@csoeiras.min-saude.pt

Resultados
Decorridos sete meses após o início da actividade da AM, foram realizadas 41 avaliações
finais, podendo afirmar que todos os utentes apresentaram ganhos ao nível da mobilidade e
eventualmente da sua qualidade de vida, tendo melhorado os valores referentes à primeira
avaliação.
Foram avaliadas várias variáveis relacionadas com a mobilidade, equilíbrio e a resistência, consideradas essenciais na rotina diária. O gráfico apresenta a evolução dos utentes nos vários exercícios.
Os benefícios alcançados com a integração na AM traduzem-se pelos testemunhos das pessoas que a frequentam, verbalizam estar mais independentes na realização das actividades de vida diárias. Socialmente sentem-se mais integrados e mais activos, com maior motivação e
capacidade para gerir as horas do seu dia que anteriormente eram vazias.
Referem estar mais satisfeitos e felizes.
Partilhamos alguns dos seus testemunhos que traduzem os benefícios que a AM lhes trouxe:
“Já consigo vir a pé da estação de comboio até aqui”;
“Sinto-me mais leve desde que estou na AM”;
“Respiro melhor”;
“Dói-me menos o corpo”.