DISIS – Desmaterialização e Integração dos Sistemas de Informação de Saúde do Centro Hospitalar Cova da Beira
A concretização do projecto DISIS teve um impacto muito significativo na qualidade e eficiência dos serviços de saúde prestados pelo CHCB, na medida em que foram alcançadas melhores condições que facilitam o acesso, simplificam os procedimentos, diminuem o tempo das ações e garantem a eficiência na utilização de recursos.

Título
DISIS – Desmaterialização e Integração dos Sistemas de Informação de Saúde do Centro Hospitalar Cova da Beira

Entidade
Centro Hospitalar Cova da Beira, E.P.E.

Entidades parceiras
N/A

Destinatários/Beneficiários potenciais
O projeto DISIS foi desenvolvido para beneficiar todos os utentes do Serviço Nacional de Saúde que recorram aos cuidados de saúde prestados no Centro Hospitalar Cova da Beira.

Ponto de Situação
A operação está concluída.

 
Taxionomia
Desmaterialização e Integração dos Sistemas de Informação de Saúde.

Descrição breve
As TIC na área da saúde assumem um papel determinante, na medida em que são facilitadoras das necessárias alterações aos modelos de gestão e de prestação dos serviços de saúde em Portugal, contribuindo para a reorganização deste serviços, o desenvolvimento de uma centralidade no cidadão e a implementação de um Sistema de Informação de Saúde (SIS) integrado e interoperável.

Numa lógica de saúde de proximidade, que possibilite um acesso simplificado e coerente aos serviços de saúde e à informação com eles relacionada, e que contribua para a qualificação dos serviços e para a optimização dos recursos, é preponderante não só a automatização dos processos existentes, mas, prioritariamente, a reengenharia e a simplificação destes.

A informatização e a modernização dos processos hospitalares do CHCB, sejam clínicos e/ou administrativos, traduz-se na concretização de uma estratégia de desmaterialização de processos, assente em SIS integrados e articulados, transversais à instituição e, de forma mais lata, à Administração Pública, adoptando as boas práticas que têm vindo a ser desenvolvidas a nível da Administração Pública Central, nomeadamente no que diz respeito à “racionalização dos modelos de organização e gestão da Administração Pública e a simplificação, reengenharia e desmaterialização de processos”, conforme previsto numa das prioridades do Eixo 4 – Uma Administração Pública Eficiente e de Qualidade do Programa Operacional Factores de Competitividade do QREN.

Descrição pormenorizada
A concretização do projecto DISIS teve um impacto muito significativo na qualidade e eficiência dos serviços de saúde prestados pelo CHCB, na medida em que foram alcançadas melhores condições que facilitam o acesso, simplificam os procedimentos, diminuem o tempo das ações e garantem a eficiência na utilização de recursos.

A implementação do projeto DISIS teve impactos qualitativos resultantes da sua implementação, destacando-se os seguintes:
• Disponibilização e processamento de informação clínica pelos profissionais de saúde, de forma adequada e segura, melhorando a qualidade do serviço da saúde prestado aos utentes e a redução dos seus custos;
• A desmaterialização dos processos, mediante a utilização do SIS integrados, permitiu um acesso simplificado à informação, incrementou o nível de eficiência e eficácia dos serviços e também a redução de custos;
• A modernização dos processos hospitalares (clínicos e administrativos) eliminou ineficiências e criou condições para a disponibilização de novos serviços para os cidadãos, em particular no que diz respeito ao acesso à informação de saúde, disponível através do Portal da Saúde;
• A desmaterialização dos processos internos da instituição e a integração em plataformas de saúde de âmbito nacional, permitiu um aumento da rapidez, qualidade e segurança da informação disponibilizada, aos profissionais de saúde e aos utentes, permitindo também a obtenção, em tempo real, de dados efectivos de gestão.
• Por último, o projeto DISIS caracterizado por ser um investimento na reorganização e desmaterialização de processos clínicos e administrativos, podendo constituir um exemplo de boas práticas para outras entidades de saúde, também tem o potencial, actualmente demonstrado, de permitir a integração de novas soluções em TIC.

Tecnologia
(Não foi desenvolvida Tecnologia).

Recomendações
Levantamento exaustivo de necessidades técnicas e tecnológicas, para que a operação alcance os objectivos a que se propôs.
Formação técnica adequada e contínua para uma utilização optimizada das soluções.

Próximas Acções
Potenciar ao máximo a utilização das soluções adquiridas de forma a alcançar por completo os objetivos a que se propôs, e ir além destes.

Ponto de Contacto
Nome – Pedro Figueiredo
Cargo – Coordenador do Gabinete de Projetos
Telefone – 275 330 000
E-mail – fernando.figueiredo@chcbeira.min-saude.pt

Anexos
Testemunhos:
• Enfermeira Arminda Pinto, Enfermeira Diretora no CHCB, disse:

«Os carestation são equipamentos que vieram permitir o acesso a toda a informação coletada, em tempo útil, junto da unidade do doente e  à consequente tomada de decisão, sem recurso a papel. São facilitadores dos registos em tempo real, garantindo a qualidade da informação e a rentabilização do tempo.

A implementação do SAPE na CExt veio permitir registos informatizados e, por estarem integrados no S. Clinico,  possibilitou a integração dos dados clinicos entre enfermeiros e médicos, ajudando à tomada de decisão do enfermeiro, sem recurso em papel.»
  
• Dr.ª Sara Rodrigues, Diretora do Serviço de Recursos Humanos do CHCB disse:
«O DISIS permitiu que fossem utilizadas todas as funcionalidades do sistema SISQUAL, o que gerou uma maior eficácia na reorganização das equipas e possibilitou a integração com outras aplicações, designadamente ao nível do processamento de salários (RHV).
Anteriormente à implementação do DISIS, um gestor de escala podia demorar até um dia para encerrar o SISQUAL referente ao período de um mês, atualmente a mesma operação pode demorar apenas 10 minutos.

O DISIS permitiu também à instituição disponibilizar serviços online, SISQUAL Paperless-  nomeadamente o SISQUAL onde é hoje possível, com as credenciais de acesso, aceder remotamente em qualquer lugar do mundo. Anteriormente à execução do projeto não era possível fazer este tipo de operações por falta de capacidade nas comunicações de dados.»

Site
Não existe.

Resultados
Após a implementação do projeto DISIS o CHCB alcançou uma melhoria bastante considerável em modernização nos processos administrativos e clínicos, alcançando um elevado nível de eficiência, transversal a todos os serviços, permitindo o acesso a informação de saúde, respeitante a toda a população nacional e que seja atendida no CHCB.

Um indicador que apresentou efectivas melhorias foi o tempo médio de espera em fila para a conclusão de transacções. Todos os equipamentos de hardware adquiridos com a implementação do projeto DISIS permitiram incrementar de forma evidente e efectiva a capacidade de processamento de informação em todo o hospital. Apesar da diminuição do tempo de espera ter sido transversal a todos os serviços clínicos e administrativos, evidentemente, nalguns pontos de contacto os melhoramentos verificados foram mais acentuados do que noutros, em conformidade com a distribuição da capacidade de processamento, realizada de acordo com as necessidades.

O acesso à informação disponível nos canais públicos da instituição, bem como no portal do utente – “Plataforma de Dados da Saúde”, facilitou a partilha e o acesso de informação entre o utente, os profissionais de saúde e as entidades prestadoras de cuidados de saúde, o que reflete assim a acessibilidade da informação a toda a população nacional. As infraestruturas tecnológicas adquiridas vieram melhorar condições para que os canais referidos estejam disponíveis para o acesso aos utentes.

A operação permitiu diminuir consideravelmente o número médio de interacções, em processos administrativos, com cidadãos e empresas. Esta diminuição coaduna-se com o aumento de inter-operabilidade entre sistemas.

O grau de integração dos dados clínicos dos utentes alcançou 100%. Esta evidência está relacionada com a interoperabilidade do SAM e o SAPE na Consulta Externa, no Internamento e Hospital de Dia, que possibilitou a integração dos dados clínicos ao mesmo tempo que tornou possível efectuar a integração sem o recurso ao papel. Atualmente o recurso ao papel no processo clínico representa cerca de 5%, um valor que a instituição pretende baixar ainda mais.

Última atualização: 06-04-2016